Noticia
Loading...

Emissoras vendem espaço para programas de games que podem ser fraudulentos; veja indícios



Data da postagem:29/06/2017

Por:William Castro

Em tempos de crise, como os que vivemos atualmente, toda empresa precisa fazer um esforço gigante para fechar o caixa no final do mês. 


Todo centavo que entra faz diferença para continuar pagando funcionários e honrando compromissos com fornecedores. No setor de comunicação não é diferente. Atualmente, vemos emissoras de rádio e TV buscando todo tipo de anunciante e até vendendo espaços na grade para não deixar as contas no vermelho.

Imagino que não há nada pior para uma emissora do que ter que abrir mão de um horário ou até de toda grade de programação do canal para exibir uma produção independente. Infelizmente, a prática está se tornando cada vez mais comum e vital nos canais de TV aberta e por assinatura. São programas religiosos, comerciais e até de entretenimento que arrendam horário na TV para exibir seu conteúdo.

Mas o que mais me chama a atenção nessa prática tão rotineira no mercado televisivo são os game shows, conhecidos pelo mundo como CALL TV, que ocupam a programação de algumas emissoras. 


Programas interativos onde o telespectador liga para um telefone de DDD desconhecido, responde a perguntas em um quiz nível fácil, acumula pontos e, se der sorte, é convidado a participar de outro jogo que acontece ao vivo na TV, podendo ganhar prêmios em dinheiro.


Esse tipo de programa não costuma ser transparente e deixa no ar muitos questionamentos, principalmente nos telespectadores. O que me induziu a escrever este texto foi a experiência com o programa que o youtuber Rodrigo Betin retratou em seu canal do Youtube.

Betin realizou uma ligação de cerca de três minutos para o Game Phone, atração exibida na Band SP, Band SAT e Band Interior, de segunda a sexta, por volta das 14 horas. Durante a chamada, ele responde uma série de perguntas fáceis e em nenhum momento é colocado no ar, além de mostrar algumas práticas comuns do programa, como a sequência de acertos e erros da atração. O vídeo é muito legal e já tem mais de três milhões de acessos. Vale assistir:





Para melhor entender os pontos obscuros apontados por Rodrigo, resolvi levantar alguns questionamentos sobre o programa. Vale ressaltar que o Game Phone é apenas UM dos vários programas existentes na TV com o mesmo perfil, portanto, os questionamentos feitos aqui se estendem a todos eles.

O Game Phone será objeto desta análise por estar em um bom horário em uma grande rede de televisão, sendo assim, mais acessível a um maior número de telespectadores. 

Fazendo uma rápida busca no site Reclame Aqui é possível encontrar dezenas de queixas registradas contra o programa. Grande parte das reclamações é feita contra à Rede Bandeirantes de Televisão, que apenas veicula o programa, e não contra à Avatar Mobile Technologies, responsável direta pela atração. 

Das quase 150 objeções feitas no site sobre o Game Phone, 123 são destinadas à TV Bandeirantes, enquanto apenas quatro são direcionadas à Avatar.

As reclamações são sempre as mesmas e os reclamantes utilizam de palavras como "estelionato", "fraude", "propaganda enganosa" e "enganação" para definir o programa. Grande parte queixa dos custos relacionados à ligação, que levantam uma série de questionamentos sobre a veracidade do game show.

Para começar, a chamada custa por minuto R$ 3,99 + impostos, que representam cerca de 40% da ligação. Ou seja, a cada minuto de participação no game show, você pode pagar até R$ 6,00, aproximadamente.



Para ter uma ideia de como as coisas são obscuras nessa operação, se você ligar com um número da Vivo para um número de telefone móvel dos Estados Unidos ou da França, você paga menos do que ligando para o interior de São Paulo para participar do game show. 

O mais interessante é que o número de participação muda de localidade de tempos em tempos, utilizando o código de operadoras que nunca ouvimos falar na vida. O programa Game Phone, por exemplo, utiliza o código de telefonia 91, de uma operadora chamada Falkland/IPCorp Telecom.
Ironicamente, o site da IPCorp Telecom destaca que a tarifa cobrada pela empresa é muito mais barata que as demais praticadas pelo mercado. 

Ora, se o preço de uma ligação com o código de operadora 91 é muito mais barato, como diz o site da própria empresa, o que justifica uma ligação para Chapecó custar R$ 3,99 + impostos, valor mais alto que a maioria das ligações DDI?

Está destacado na seção 2.1 do regulamento do programa que, para participar, os telespectadores devem ligar para o programa GAME PHONE, através do telefone divulgado na tela do seu televisor, ou seja, efetuar uma ligação para um telefone fixo para cidade de Chapecó/Santa Catarina, podendo para tanto utilizar qualquer operadora de longa distância. Porém, a própria organizadora induz o telespectador ao erro, uma vez que exibe na tela o número de telefone já com o código da IPCorp Telecom e no setor de Perguntas Frequentes do site também orienta a ligar com a operadora 91.

Outra coisa que me chamou atenção foi a falta da certificação da Caixa Econômica Federal. Como se sabe, todo sorteio, promoção ou concurso cultural, seja no plano virtual ou real realizado no país, precisa ser autorizado pela Caixa.

Segundo o site da instituição bancária, os pedidos de autorização devem ser protocolados no prazo mínimo de 40 (quarenta) dias antes da data de início da promoção comercial lançamento e/ou a divulgação da promoção comercial com distribuição gratuita de prêmios não pode ser iniciada antes da emissão do respectivo. Essa autorização do banco é emitida após o pagamento de uma taxa de fiscalização, que varia conforme o valor do prêmio.

No caso desses game shows de TV, a modalidade que mais se assemelha ao perfil do programa é o Concurso, que ocorre mediante concurso de previsões, cálculos, testes de inteligência, seleção de predicados ou competição de qualquer natureza. Porém, há alguns planos de operação que não podem ser autorizados pela Caixa, nem mesmo pagando a taxa. Entre eles, destaco os mais relevantes para o tema:

  • Proporcionem lucro imoderado aos seus executores;
  • Propiciem exagerada expectativa de obtenção de prêmios;
  • Não assegurem igualdade de tratamento para todos os concorrentes.

    O momento é propício para questionar, afinal, os programas possuem autorização da Caixa Econômica Federal para distribuírem prêmios? Se sim, por que não deixam o certificado de autorização durante a atração?

    Falando agora da participação do usuário. Ao ligar, você fica por cerca de um minuto ouvindo as orientações sobre o quiz, nada que você já não saiba ao acompanhar o programa. A partir deste momento, começam as perguntas de Verdadeiro ou Falso. Em caso de acerto, dez pontos são computados para você. Se errar, apenas cinco pontos são creditados ao seu número.

    Na seção 2.4 do regulamento da atração, disponível no site da Game Phone, está descrito que, todas as vezes que o participante ligar, durante a exibição do programa, ele acumulará pontos que serão somados ao seu total, e, aqueles participantes que estiverem com a melhor pontuação, ou seja, em 1º lugar no "ranking", durante a exibição do programa, serão convidados a participar do programa ao vivo.

    O que não fica claro para quem liga ou para quem assiste é a classificação do participante durante o programa. Não há um ranking atualizado em tempo real com nome ou final do telefone da pessoa, o que deixa o participante às cegas. Não há nenhuma auditoria independente que acompanhe esse tipo de programa in loco e possa garantir a existência deste ranking?

    Mas, o mais surpreendente desta história foi encontrado na lista de vencedores da atração, a inexplicável "sorte" de alguns ganhadores. Graças a um perfil no Youtube, supostamente de fãs desse tipo de programa, é possível localizar algumas outras atrações do segmento CALL TV. Todas com o mesmo padrão, as mesmas gincanas e apresentadoras, tudo muito igual. Dá a impressão de que são todas feitas pela mesma empresa.

    Vale lembrar que a Avatar Mobile Technologies, controladora da Game Phone, pertence aos mesmos donos da ESOTV, outra empresa que produz game shows para a TV. Mas no caso da Avatar, ela produz outro programa chamado Master Game, veiculado na RedeTV!. 

    Observando a lista de ganhadores dos dois programas, disponíveis nos sites deles, é possível achar alguns casos bem suspeitos, como o do participante Diogo Candido. Ele conseguiu ganhar em duas atrações diferentes em menos de um mês.



    Na relação de vencedores de outro programa, o Top Game, exibido nas noites da Band e produzido pela G2PTV, o nome de Diogo Candido aparece outras SEIS VEZES em apenas dois anos.



    Outro caso, ainda mais surpreendente, é o de Jonathan Medeiros. Ele, supostamente, ganhou R$ 10 mil em dinheiro em surpreendentes SEIS PARTICIPAÇÕES em concursos da Avatar, tudo apenas em 2017.



    E o mesmo Jonathan Medeiros ganhou em outras SETE oportunidades no Top Game. Ou seja, em apenas três programas, o nome de Jonathan consta como vencedor em absurdas 13 (TREZE) ocasiões! Como isso é possível?



    Esses não são os únicos casos. Basta jogar nomes comuns nas listas que é possível localizar supostos vencedores aparecendo duas, três, até quatro vezes nelas. Apesar de todas essas informações e indícios, ainda restam muitas dúvidas sobre esse tipo de programa e gostaria de levantar algumas delas aqui: 
  • Existe algum tipo de autorização ou regulamentação da Caixa Econômica Federal para este tipo de programa? 
  • Existe alguma auditoria independente no programa que possa garantir a sua autenticidade?
  • Por que escolhem operadoras desconhecidas e cidades como São José do Rio Preto/SP e Chapecó/SC para receberem ligações? 
  • Por que não existe um ranking em tempo real com a pontuação dos jogadores que estão no quiz?
  • Como é possível que uma única pessoa vença tantas vezes?
  • Qual o posicionamento das emissoras que exibem estas atrações?

  • Qual o posicionamento do Procon e do Reclame Aqui sobre a atração exibida?



  • Fonte:Tv historia
    Share on Google Plus

    About Beto Skyhd

    Antenados na Sky e Cia.

    2 comentários :

    1. Olá! Ótima matéria! Mas favor mudar o nome do Youtuber para Rogério Betin, que sou eu. E vou continuar lutando contra este tipo de golpe em nosso país. Abraço!

      ResponderExcluir
      Respostas
      1. IN2i
        18 de maio de 2016 ·
        Promoção “Globo e Voce na Uefa Champions League" (série 2)
        O ganhador do prêmio do Sorteio 2 "Viagem para Milão com Passagens Aéreas para 2 pessoas + Estadia + Ingressos para assistir ao jogo da final da Champions League.”,
        é:
        @Diogo Candido de Abreu, Goiania, Goiás.
        "Olá pessoal eu participei, acreditei e ganhei na promoção UEFA Champions League, realizada pela Globo e IN2i Serviços e Tecnologias Interativas. Agradeço muito a produção pela transparência realizada.
        Participe você também!!Hoje eu fui o vencedor, amanhã poderá ser você. Valeu de maissss IN2i!"
        PARABÊNS!!!!!
        A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, óculos de sol e close-up

        Rodrigo Nogueira da Silva
        CurtirMostrar mais reaçõesComentarCompartilhar
        Ordem cronológica
        4 4
        Comentários
        Roberta Valentini
        Roberta Valentini Olá, gostaria de sabe quando teremos mais promoções? obrigada

        Excluir

    Deixe seu comentário