GLOBONEWS: 'Trincheiras no Deserto' mostra de perto a luta dos soldados curdos contra o Estado Islâmico no Iraque.



Data da postagem:06/07/2017
Foto: Imagens do documentário e foto de Gabriel Chaim

Foto: Imagens do documentário e foto de Gabriel Chaim

Um documentário com todos os ingredientes de um filme de ficção: há momentos de tensão, de terror, de coragem e de dor. É desta forma que Marita Graça, roteirista de Trincheiras no Deserto, apresenta o documentário inédito que a GloboNews exibe sábado, dia 8, às 21h. O filme traz imagens captadas pelo cinegrafista Gabriel Chaim, ao longo dos sete meses em que acompanhou de perto a luta dos soldados curdos, chamados de peshmergas, antes e durante a operação de retomada de três cidades na região do Curdistão iraquiano, invadidas pelo Estado Islâmico. A partir do front na montanha de Bashiqah, Chaim registrou não apenas os confrontos, mas também o dia a dia dos soldados que lutam com poucos recursos pela proteção e reconquista territorial, enquanto ajudam a resgatar refugiados perseguidos pelos terroristas.  "O próprio Chaim escapou de morrer por pouco, em dois episódios que mostramos no filme", antecipa Marita.

'Trincheiras no Deserto' não só mergulha na rotina dos peshmergas, mas revela também os outros personagens envolvidos nessa guerra que começou há dois anos, quando o Estado Islâmico proclamou um califado no Iraque e na Síria. Chaim acompanha o resgate de inúmeras famílias que se expõem a limites físicos e psicológicos inimagináveis em busca de refúgio.   "Somos muçulmanos, não são eles que vão nos ensinar o que é ser muçulmano. Por acaso eles são melhores que nós? Eles são hereges, não são homens. Se fossem, não jogariam pessoas de cima dos prédios", desabafa uma refugiada em relação aos ataques do Estado Islâmico aos civis. A retomada das três cidades do Curdistão pelos Peshmergas foi estratégica para que o exército iraquiano, com apoio da coalizão, pudesse avançar em direção a Mossul, a segunda maior cidade do país.  A parte leste já foi reconquistada. Neste momento, os confrontos prosseguem na parte oeste.  "Alguns exércitos profissionais teriam fugido diante de ataques como esses, mas muitos peshmergas são voluntários. Eles nunca fogem, defendem a terra deles até a morte", diz um paramédico americano voluntário que leva assistência aos combatentes.

Além da força dos depoimentos, a qualidade das imagens captadas é outro destaque do documentário, que foi realizado pela mesma equipe finalista do Emmy Internacional de Jornalismo na categoria Atualidade, com 'Síria em Fuga', exibido pelo canal em 2015. "Gabriel Chaim é um fotógrafo excepcional. Um outro elemento saboroso é a trilha sonora, de autoria de Pedro Guedes, que usou um instrumento chamado oud, similar ao alaúde e muito comum no Oriente Médio, especialmente para compor a música do documentário.", conta Maritalembrando que o filme teve como um dos grandes desafios a organização do vasto material. "A produtora Joy Ernanny precisou organizar tudo com muito cuidado - inclusive as traduções do curdo e do árabe - para que a gente começasse a entender a sequência dos acontecimentos", revela a roteirista.


Fonte:BLUP



Nenhum comentário

Deixe seu comentário